Manifesto Exame De Ordem 2010.1

Definitivamente este foi o exame mais complicado e peculiar da história da parceria CESPE-OAB. Sou um professor extremamente preocupado com meus alunos, principalmente os que prestam o Exame de Ordem e estou triste, desapontado e frustrado com a posição do examinador.

Pergunto-me porque fazer uma prova não condizente com a realidade jurídica de nossos recém-formados?

Digo isso porque uma das obrigações que me sinto no dever de fazer como professor é analisar as provas do CESPE-UNB. Não só as da OAB. Todas as provas que caem Processo Penal são minuciosamente analisadas. E qual foi a minha surpresa? Este exame não retratou a postura que sempre me agradou nas provas CESPE. Uma prova bem elaborada e com atualidades.

O que mais me desaponta é acontecer isso justamente com o Exame de Ordem. Talvez os atuais examinadores não saibam que este é um momento importantíssimo na vida do candidato. O Exame em si já gera uma pressão enorme no aluno. A sociedade pressiona, a família que quer ver o investimento de uma faculdade retratada com a aprovação, os amigos que equiparam o Exame com uma simples verificação e a pressão do próprio aluno que se sente o pior ser humano do mundo, que com a reprovação, vê seu esforço todo de 5 anos mais cursinho ir por água baixo.

Um capricho desnecessário e desumano do Examinador.

A vida infelizmente tem momentos cinzas. E esse é um desses. Um obstáculo cruel, infeliz e triste.

O momento agora é de olhar adiante. Olhar com a cabeça erguida. Olhar com postura de um verdadeiro gladiador. De um guerreiro. Essa prova foi uma batalha onde o examinador usou subterfúgios que não poderiam ser usados.

Lembro-me de alguns momentos em minha vida que me senti muito triste. Decepções nos trazem uma angústia muito grande. Ficamos sem chão, perdemos a esperança, temos vontade de mudar o caminho, descontamos nas pessoas mais queridas. Mas nossa humildade pode nos ajudar nesse momento. Talvez não saibamos porquê isso aconteceu. O que definitivamente sei é que as lamentações, os rancores nos deixarão exatamente do jeito que o examinador quis.

Quantas vezes a tristeza de hoje foi a alegria de amanhã?

Vamos lutar! Vamos usar toda aquela força que todos nós temos. Quando estou triste procuro fazer algo que me faz bem. Ouço música, vou pra minha aula de percussão, corro na praia ou então sofro tudo que tenho que sofrer num dia para acordar no dia seguinte dando o meu bom dia mais feliz do mundo. Sei que o pior é todo dia ficar remoendo a tristeza dentro de nós.

Vamos fazer o contrário!

Nos reerguermos de esperança, de esforço, de mais estudo. Uma prova dessas não será capaz de tirar nosso maior valor. Nossos sonhos. Se nos indagarem sobre a prova tenhamos amor para responder: “Foi complicada, fizeram uma prova difícil, mas eu vou lutar e continuar tentando.”

Sinônimo de felicidade não é essa prova. Sinônimo de felicidade é a luta diária e saber levantar das adversidades da vida.

Concluo, com sábias palavras do líder negro, defensor dos Direitos Humanos, Martin Luther King:

“É melhor tentar, ao invés de sentar-se e nada fazer;
É melhor falhar, mas não deixar a vida passar;
Eu prefiro na chuva caminhar, do que em dias tristes em casa me esconder;
Prefiro ser feliz, embora louco, do que viver infeliz em são conformismo.”

Bjos, abraços e solidariedade do amigo,
Bello

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-Share Alike 2.5 License.